Assembleia Geral da Sociedade Aguas Douro e Paiva

O edil paivense Gonçalo Rocha, assumiu ontem a presidência da Assembleia Geral da Sociedade Aguas Douro e Paiva, para o mandato 2017/ 2019, em lista aprovada por unanimidade, no decurso da primeira reunião daquele órgão deliberativo, agora que foi concretizada a reversão da empresa prometida no ano transacto pelo actual Governo, realizada na ETAR de Lever, numa cerimonia que foi aproveitada para a assinatura do Contrato de Concessão, e que contou com a presença do Ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, e dos Secretários de Estado do Ambiente e do Tesouro, para além dos autarcas dos municípios aderentes a este sistema multimunicipal de abastecimento.

qui 23 fev, Actualidade

A empresa Águas do Douro e Paiva, que o governo socialista reactivou, elegeu ontem em Assembleia Geral os novos corpos sociais, uma decisão que ocorre precisamente um ano depois, do Ministro do Ambiente ter anunciado que o anterior sistema multimunicipal de abastecimento seria reactivado, depois do anterior Governo o ter extinguido, voltando ao modelo de funcionamento de outrora, envolvendo a Águas de Portugal e os municípios.
Eduardo Gomes é o presidente do Conselho de Administração da Águas do Norte, que elegeu o socialista Gonçalo Rocha, presidente da Câmara Municipal de Castelo de Paiva, para presidir à Assembleia Geral e, para além do presidente, a administração é constituída por três vogais executivos: João Pedro Neves, da Administração dos Portos do Douro e Leixões, Joana Felício, vereadora da Câmara de Matosinhos, e António Borges, que renunciou ao lugar de deputado na Assembleia da República, sendo o autarca de Amarante, José Luís Gaspar, agora indicado como vogal não executivo.
No final da cerimónia em Lever, o edil paivense mostrou-se satisfeito com este desfecho, e sublinhou que o processo de reversão da Águas do Douro e Paiva representa uma grande vitória dos autarcas e da região, destacando o forte envolvimento do Ministro do Ambiente, que se empenhou activamente neste combate, mostrando-se sempre solidário com as reivindicações dos autarcas, concordando por isso, com a sua afirmação quando sublinhou que, esta fusão assumida pelo anterior Governo não passou de uma grande tolice, um erro tremendo e um esbulho para as autarquias.
Para Gonçalo Rocha, que nesta cerimónia se fez acompanhar do seu vice presidente António Rodrigues, este é um processo que fazia sentido, os sistemas foram agregados contra a vontade das autarquias e ainda bem que retomam a sua autonomia, sublinhando o edil que, é uma decisão justa e o município de Castelo de Paiva ganhou mais este desafio e, justamente, voltou a ter uma representatividade forte no seio da empresa Águas do Douro e Paiva, congratulando-se pelo facto de, mais uma vez, o Governo cumprir no respeito e na defesa do interesse público, percebendo as dificuldades das autarquias e assumindo o abastecimento público como uma importante prioridade.
A atribuição agora realizada pelo Estado português às empresas Águas do Douro e Paiva e SimDouro, da concessão da gestão e exploração dos sistemas multimunicipais de abastecimento de água e saneamento, mereceu por parte do Ministro do Ambiente, uma abordagem mais detalhada, evidenciando que estas empresas têm que se mostrar dinâmicas ao desenvolver a sua actividade e evidenciar a sua forte componente regional, ao mesmo tempo que sublinhou a responsabilidade dos autarcas e a solidariedade regional, na perspectiva do sucesso e da eficácia que se deseja nesta actividade.
Recorde-se que, a empresa Águas do Douro e Paiva desenvolve actividades de captação, tratamento e abastecimento de água para consumo público, servindo 20 municípios que abrangem 1,7 milhões de habitantes numa área de 2.715 quilómetros quadrados, sendo que, o investimento previsto para os próximos anos destina-se fundamentalmente a obras de reabilitação, substituição, melhoria de operacionalidade e aumento de fiabilidade do sistema, ao passo que, a SimDouro desenvolve actividades de recolha, tratamento e rejeição final das águas residuais urbanas provenientes de 519 mil habitantes equivalentes, abrangendo uma área de 1300 quilómetros quadrados.

mais notícias
GIPFarmáciasBombeirosMunicípioVeterinárioContactos
Desenvolvimento
Castelo de Paiva 2013
Todos os direitos reservados