Governo abandona a obra de requalificação do Cais do Castelo

O presidente da Câmara Municipal de Castelo de Paiva, Gonçalo Rocha, manifestou hoje, o seu repúdio e descontentamento pelo facto de o Governo, através da delegação do Norte e Douro do IPTM – Instituto Portuário e Transportes Marítimos abandonar a candidatura ao PROVERE do projecto âncora do IPTM, para a requalificação do Cais do Castelo, na freguesia de Fornos.

ter 3 set, Urbanismo

Esta mudança de decisão está já a gerar uma grande preocupação e indignação junto da população e dos autarcas locais, pelo que o presidente Gonçalo Rocha defende que se impõe a alteração imediata desta resolução, daí já ter solicitado, junto do Secretário de Estado do Mar, Manuel Pinto Abreu, a melhor atenção para a tomada das diligências que entenda adequadas, no sentido do apuramento do esclarecimentos sobre este processo e da viabilização urgente deste importante investimento para o município de Castelo de Paiva.

Agastado com esta decisão da rescisão do contrato de financiamento da obra de “ ampliação e remodelação do Cais do Castelo “ por parte do ON2 – O Novo Norte, fundamentada pela falta de inicio físico e financeiro da empreitada, o edil paivense considera tratar-se de um desfecho inesperado e com prejuízos avultadíssimos para o concelho de Castelo de Paiva, “ não só para as nossas legitimas expectativas no avanço deste importante investimento, como também para o desenvolvimento económico desta região, uma vez que, não se pode potenciar o Douro sem criar condições dignas de acostagem ao longo do seu curso “, sendo que, “ esta é uma infra-estrutura fundamental para a dinâmica turística que se deseja para o concelho e, em especial, para esta zona ribeirinha da freguesia de Fornos “.
Recorde-se que, este investimento pela sua importância estratégica para a região, foi considerado pela ADRIMAG, no âmbito do PROVERE, como projecto âncora, logo prioritário em termos de financiamento e após a candidatura efectuada pelo IPTM, junto do ON 2 e da assinatura do Contrato de Financiamento.

Para Gonçalo Rocha, os recursos turísticos de uma região, nomeadamente de um concelho como o de Castelo de Paiva, traduzem-se sobretudo em recursos naturais, culturais e histórico-patrimoniais, destacando que, “ há condições, comparando com outros exemplos de investimento que se estão a verificar no âmbito do programa ON2, para enquadrar financiamento imediato para este projecto “ e evidenciando que, “ seria incompreensível cessar esta iniciativa quando se está a desencadear uma aposta, clara, no desenvolvimento turístico no Douro. Castelo de Paiva e esta região precisam urgentemente deste investimento”.

Neste sentido, realça o presidente da autarquia, a qualificação destes recursos assume uma importância acrescida para a valorização da oferta turística concelhia, manifestando o seu desagrado por não ver esta obra integrada nos projectos de valorização da Via Navegável do Douro.

Recorde-se que, para a concretização deste projecto, foi pensada uma proposta arquitectónica contemporânea, com zonas funcionais e/ou de lazer claramente definidas e em estreita ligação com o Douro. Com esta obra, Castelo de Paiva receberia do IPTM um investimento superior a 1,8 milhões de Euros, para a ampliação e remodelação do Cais do Castelo, com o alargamento da frente ribeirinha e criação de uma zona de lazer, cujo objectivo aponta para uma melhoria das condições operacionais para a actividade turistica fluvial no Douro.

Valorizado por magníficas paisagens, onde os rios complementam o panorama visual, o Município de Castelo de Paiva sempre reconheceu a importância que o aproveitamento dos recursos fluviais com capacidades turísticas tem para o desenvolvimento do turismo. Sendo os passeios no Douro, cada vez mais, uma opção de qualidade inigualável para passear em família, esta decisão é uma derrota para o município, que pretendia que o Cais do Castelo pudesse constituir uma das principais portas de entrada na região dando a conhecer o que de melhor esta tem para oferecer.
Até porque, estimular a criação de infra-estruturas de suporte e de facilidades de apoio turísticas, e em simultâneo potenciar os recursos endógenos da região, constituem as principais estratégias da aposta no desenvolvimento de um turismo sustentável para Castelo de Paiva.

mais notícias
GIPFarmáciasBombeirosMunicípioVeterinárioContactos
Desenvolvimento
Castelo de Paiva 2013
Todos os direitos reservados